UNS VÃO À PRAIA. EU VOU AO MAR. PORQUE SOU DO MAR... O MAR, AOS QUE SÃO DO MAR: ODOYÁ! ODOYÁ!
Aquários de tubarões não inundam os meus pés. Só quero o vômito da minha própria vazante. Porque, sou Roberta Aymar...
TECIDO VIVO!

sexta-feira, 27 de maio de 2011

isso que é a cor da liberdade...



a liberdade é

V
E
  R 
DE
M
E
L
[H[A]h]

!LIBERDADE!








Verde que te quiero verde.
Verde viento. Verdes ramas.
El barco sobre la mar
y el caballo en la montaña.
Con la sombra en la cintura
ella sueña en su baranda,
verde carne, pelo verde,
con ojos de fría plata.
Verde que te quiero verde.
Bajo la luna gitana,
las cosas la están mirando
y ella no puede mirarlas.
Verde que te quiero verde.
Grandes estrellas de escarcha
vienen con el pez de sombra
que abre el camino del alba.
[...]
FEDERICO GARCÍA LORCA 


2 comentários:

  1. Gostei muito. Aliás, o blog todo é muito bonito, prevalecem as cores quentes - e o conteúdo espelha você por inteira, moça da verde lembrança das coisas que importam...

    ResponderExcluir
  2. Eis que no calor das horas de abrir mistérios,
    me vi refletida no palíndrom'ofertado em forma de tessitura-poema...
    E desenhei
    lágrimas
    de
    sonhar*sonhando
    Tecidos
    de Tr'AMAR
    Tragos
    em
    Goles-de-Mundo
    Atrav(é)s'sados..

    [No lapso do segundo,esqueci que sou triste
    e fui fe-liz*pector!]

    ResponderExcluir