UNS VÃO À PRAIA. EU VOU AO MAR. PORQUE SOU DO MAR... O MAR, AOS QUE SÃO DO MAR: ODOYÁ! ODOYÁ!
Aquários de tubarões não inundam os meus pés. Só quero o vômito da minha própria vazante. Porque, sou Roberta Aymar...
TECIDO VIVO!

domingo, 22 de maio de 2011

isso tudo que se equivale nessa [re]corrente loucura





*
● infinitas gerações de ●
● pulgas e carrapatos ●
● ratos e insetos e tudo q ●

...
● rasteja e lambe como ●
● todos os servos do ●
● mundo desde sempre mas ●

● logo adiante se erguem ●
● grandes obeliscos de pedra e ●
● junto a estes um lago circular e ●

● seco com as bordas revestidas de ●
● pedra entre uma infinidade de ●
● coisas q eram preciosas e de ●

● grandes homens e grandes ●
● casas e velhos templos q ●
● torna visivel a nobreza q se ●

● tornou ruinas e todo esse ●
● sublime afundou no lodo e nas ●
● areias dos desertos q vieram ●

● depois das florestas q vieram ●
● depois dos desertos q ●
● vieram depois das florestas e ●

● tudo se equivale nessa insidiosa e ●
● recorrente loucura servos insetos ●
● carrapatos pulgas templos de ●

● marmore q se tornam cal no ●
● calor desse inferno e os ●
● ossos dos grandes homens e os ●

● ossos dos pequenos homens são ●
● agora adubo daquele espinheiro q ●
● teima em permanecer onde tudo o ●

● mais foi destruido e goza essa ●
● destruição como se risse com ●
● gosto e infinitos prazeres porq ●

● pressente a floresta q vira as ●
● infinitas gerações de ●
● grandes homens e grandes ●

● templos como pulgas e carrapatos ●
● ratos e insetos e tudo q ●
● rasteja como todos os ●

● servos do mundo desde ●
● sempre “pra nada!” diria o ●
● espinheiro se pudesse falar ●

*Alberto Lins Caldas*
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário