UNS VÃO À PRAIA. EU VOU AO MAR. PORQUE SOU DO MAR... O MAR, AOS QUE SÃO DO MAR: ODOYÁ! ODOYÁ!
Aquários de tubarões não inundam os meus pés. Só quero o vômito da minha própria vazante. Porque, sou Roberta Aymar...
TECIDO VIVO!

terça-feira, 3 de maio de 2011

isso dessa espera que (não) se deve esperar...

 
 
*
● terra es ●
● trumada ●

● diante das portas a ●
...● luz da aurora ●

● podia ter ●
● sido ●

● ?quem lavrou o ●
● deserto ●

● assim queimamos ●
● tudo e ●

● ficam vcs ●
● protegendo o rabo ●

● atraimos os ●
● alevinos ●

● tambem sofri ●
● mas essa é a parte e ●

● aqui nos deitamos ●
● morrendo de frio ●

● amanhã é o dia q ●
● acordo morto e ●

● bem disposto nesse ●
● trabalho de apodrecer ●

● felizmente sem precisar dizer ●
● “?ser ou não ser” ●

● “nunca mais” ou ●
● “horror horror horror” ●

● pelo menos isso e ●
● ja é tarde ●

● vcs sabem é ●
● sempre tarde demais ●

● principalmente depois ●
● do silencioso afastamento e ●

● dessa espera ●
● pelo q não se deve esperar ●
*
*Alberto Lins Caldas*
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário