UNS VÃO À PRAIA. EU VOU AO MAR. PORQUE SOU DO MAR... O MAR, AOS QUE SÃO DO MAR: ODOYÁ! ODOYÁ!
Aquários de tubarões não inundam os meus pés. Só quero o vômito da minha própria vazante. Porque, sou Roberta Aymar...
TECIDO VIVO!

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Enquanto estamos (intencionalmente?) distraídos...









Enquanto nós dormimos, comemos, amamos, odiamos, nascemos, outras séries de "ocorrências fenomenológicas" acontecem a cada instante, 
sem ao menos nos darmos conta... 
São assim os intemperismos físico-químicos 
a exemplo da influência do nitrogênio na produção de substâncias degradadoras do milonito por Cladonia substellata.
É PRECISO SABER VIVER? (!)





quinta-feira, 5 de abril de 2012

Eis o "Destino" à frente dos olhos...





O destino de alguém não é nunca um lugar,
mas uma nova forma de olhar as coisas.

*Henry Miller*



sábado, 18 de fevereiro de 2012

Um "Verso Satânico", por favor!...




Penso que o ÓDIO, na sua "íntima" transparência, 
nos aproxima sempre mais do OUTRO... 
Eis, talvez, o grande AMOR!
Será?







sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Que vivam os mortos...






Amar aos mortos é infinitamente mais fácil que amar aos moribundos.
Eles não se mexem, não precisam de uma palavra de conforto (mesmo que remotamente ao telefone), não demandam os nossos cuidados, as nossas noites de sono, o nosso olhar diante do corpo definhando com a pele desidratada, a cabeça sem cabelos e o rosto pálido e triste... 
Não demandam nenhuma prova concreta de humanidade!
Amar infinitamente os mortos... Ahhhhhh, como é bom!
Que vivam os mortos!

*Roberta Aymar *






domingo, 12 de fevereiro de 2012

a insustentável leveza do desejo... aforismos





A insustentável leveza
do desejo
e
n
t
r
    e-a
PALAVRA quente
   e-a
BOCA morna...










...posto que é mistério, mistério será!



Desafiada a dissertar sobre (5) mistérios, posto que os tenho, não teria sido difícil o desafio.
Mas, compelida pelo impulso sem freios da IMPROVÁVEL CERTEZA, mordi os dentes da ordem e da sequência da VERDADE 

dentro da própria boca...
Com a língua sabendo o sangue refaço trajetos para a palavra PALAVRA...
Seria isso o significado do verbo ANDAR?


...12.02.2012...







quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

And then he rises and goes into the world...











"Man can never know the loneliness a woman knows. Man lies in the woman’s womb only to gather strength, he nourishes himself from this fusion, and then he rises and goes into the world, into his work, into battle, into art. He is not lonely. He is busy. The memory of the swim in amniotic fluid gives him energy, completion. Woman may be busy too, but she feels empty. Sensuality for her is not only a wave of pleasure in which she is bathed, and a charge of electric joy at contact with another. When man lies in her womb, she is fulfilled, each act of love a taking of man within her, an act of birth and rebirth, of child rearing and man bearing. Man lies in her womb and is reborn each time anew with a desire to act, to be. But for woman, the climax is not in the birth, but in the moment man rests inside of her.”