UNS VÃO À PRAIA. EU VOU AO MAR. PORQUE SOU DO MAR... O MAR, AOS QUE SÃO DO MAR: ODOYÁ! ODOYÁ!
Aquários de tubarões não inundam os meus pés. Só quero o vômito da minha própria vazante. Porque, sou Roberta Aymar...
TECIDO VIVO!

domingo, 13 de março de 2011

isso não demora, mas não acorda, respira...


...
"mumm tá muito quieto
parece morto
prestando atenção pode se notar ressonar minusculo
ele não respira assim
...deve ter sido morto
por momento acredita qé assim q os mortos se comportam
y para de respirar
parece agora realmente morto
isso não demora..."




"ele treme
estremece
quase se levanta
mas não acorda
...respira como se a vida fosse forte..."





"mumm quer acordar
sabe que se acordar sera ele mesmo nessa casa
deitado nessa cama
isso doi
...dentro do sono volta para dormir
esquece o desejo de acordar
sorri pq o sono não se partiu
sente os olhos colados
como se tivesse paralisado
deve pensar q ta acordado
ao mesmo tempo a certeza que dorme intensamente
mumm sabe q não pode acordar
poderia se perguntar? pra q
se bem que inda não é ora mesmo
depois é coisa pra se preocupar
ele não ultrapassa as horas certas
oras do costume
isso demorou muito
deu muito trabalho para ser destruido pelo sono
se isso ocorresse tudo ficaria de pernas para o ar
nas horas certas
nos lugares certos
assim o tempo passa
não é preciso olhar para si mesmo..."

 
 
 
"mumm deseja muito não acordar
aqui ele ta muito magro
sentindo todos os ossos
olhando o mar
tem muito sol ele corre sentindo areia nos pés
no sonho ele se recorda chorando
aqui mesmo nesse quarto
sempre sozinho
chorando como se alguém tivesse morrido
como se ele tivesse morrido
mas olha o mar y começa rir
como se nunca tivesse rido
esse é um tempo muito bom"








"mumm decide dormir até morrer
decide isto dormindo
é a vontade do sonho
não vai mais acordar
regras q se quebrem
sabe que não vai mais acordar
não quer saber de mais nada
sososomente morrer dormindo"






"?existe algo melhor
nessa praia cheia de sol
aguas verdes deliciosas
ceu azul enorme
cheiro untuoso de maresia
almas apodrecendo sem razões"







"mumm imovel se volta dentro do sonho y mergulha
sente o gosto dagua do mar
sente a pele morna
sol
ve peixes em volta
corais"









"mergulha mais fundo
sente o corpo leve
braços se abrindo em volta da cabeça
pes y pernas num movimento delicioso
de repente sente falta de ar
diz q não precisa respirar"


 



"mumm não aguenta mais
volta pra superficie
suga ar com volupia
é assim que se deve respirar
sai dagua
sente ela escorrendo pelo corpo magro
deve ser possivel viver aqui sem voltar
mas aqui não é tempo
pode ser lugar
?como fugir de tudo
sabe que não é capaz
é ora de acordar
?como viver sem regras qele mesmo criou
y ele abre os olhos"


***
Textos: Alberto Lins Caldas
in
Gorgonas

5 comentários:

  1. que durmam os poetas com a respiração do mundo...

    ResponderExcluir
  2. Que fotos lindas ...!!!
    Para criaturas que são/estão o que sou/estou, elas são a essência do que se busca/precisa.
    E ainda há quem pergunte para que serve a Arte e os que a ela servem...!!!

    Alvaro (Porque a Arte pulsa onde pulsa o meu coração)

    ResponderExcluir
  3. "E ainda há quem pergunte para que serve a Arte e os que a ela servem...!!!"

    ???????...

    Quem indaga para que serve a arte pode (leia-se, deve) passar sem ela. Ela não teria sentido.
    Arte É! Isso basta!

    ResponderExcluir
  4. Quanto a ti, Senhor do Grão-Pará e habitante das matas D'Oxossi,a Arte não poderia estar pulsando em melhor lugar: no teu apaixonado coração!

    ResponderExcluir