UNS VÃO À PRAIA. EU VOU AO MAR. PORQUE SOU DO MAR... O MAR, AOS QUE SÃO DO MAR: ODOYÁ! ODOYÁ!
Aquários de tubarões não inundam os meus pés. Só quero o vômito da minha própria vazante. Porque, sou Roberta Aymar...
TECIDO VIVO!

domingo, 6 de março de 2011

Ele... Essa presença que me consome


*
Que presença é essa
Que não vejo e me consome...
Que esquece o meu nome sem rima na língua, 
na carta de amor...
E me chama pelo nome de outra no lapso do céu da boca,
no lodo do eco dos dentes, no ato falho dos porões da memória...

***
Que presença  é essa
Que me pretere no fio corrosivo do prazer da vingança
No amargo sabor do lento passar das horas
Enquanto, à distância, velo o meu amor 
Suturo e nutro com lágrimas de renda a minha saudade 

***
Que presença é essa
Que nunca está 
Gotas de suor... cristais, que não escorrem em mim
Que não oferece a indulgência-talismã-relíquia de um cílio caído, fio de cabelo, unha
Um cheiro entranhado na roupa suja perfumada de outros passados
***
Que presença é essa
Que não colhe murchas acácias caídas no chão do outono
Que não faz um leito sedoso de folhas verdes 
das mangueiras doces para o meu corpo deitar
Que não me encontra encantada nas matas D'Oxossi
Que não me banha nos afluentes secretos dos rios do norte


***
Que presença é essa
Que cospe nas fendas fiéis das minhas  letras esculpidas de sangue e fogo
Mas engole, aos pares, como as doces uvas de Baco, 
Insossas palavras de poemas incertos 
E venera a prosa d'outras mãos que lhe afagam e seduzem o ego com duvidosos clichês 
 
***
Que presença é esta?
Essa presença concreta na ausência
Que sinto absorta, distantemente, muito perto de mim
Viva e pulsante no tempo correndo do instante ofegante

***
Que presença é essa
Amante dos meus ouvidos alter(n)ados
No nada da pele que só se sabe desejo
E se veste nua de sonho acordado
Para outra vez, no sonho adormecido poder abraçá-lo

***
Que presença é essa
Essa presença é Ele, eu sei
Essa presença Sou Eu, 
Disso, ele sabe, ele grita, ele sonhou primeiro
E nenhum dos dois pode evitar

*

Desfazer, jamais!
Amor compartilhado
O Tempo diz.


Roberta Aymar
06.03.2011


Nenhum comentário:

Postar um comentário