UNS VÃO À PRAIA. EU VOU AO MAR. PORQUE SOU DO MAR... O MAR, AOS QUE SÃO DO MAR: ODOYÁ! ODOYÁ!
Aquários de tubarões não inundam os meus pés. Só quero o vômito da minha própria vazante. Porque, sou Roberta Aymar...
TECIDO VIVO!

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Zeitgeist

E(X)'stranho Zeitgeist



Perspectiva II: O Balcão de Manet * René Magritte 81950

*
● ? ●
● quantas pernas era ●
● preciso no ●
● deserto ●
...● ? ●
● as mil pernas do ●
● desejo ●
● ? ●
● as ●
● mil bocas ●
● da cobiça ●
● tanto ouro ●
● ao ●
● redor dos olhos ●
● tanto ●
● ouro nos ●
● sonhos ●
● ha sempre ouro demais nos ●
● sonhos ●
● jamais aquele sexo ●
● infeliz ●
● sexo minus ●
● culo ●
● e velho ●
● gente imunda dos ●
● dos cafes e das ●
● casinhas de familia ●
● nenhum poema ja ●
● mais ●
● nenhum outro ●
● poema imbecil ●
● todos idiotas e ●
● inuteis ●
● todo poema é estupido ●
● todo poeta um ●
● pateta ●
● verme de esterco ●
● mundo de asnos ●
● tantos ossos espa ●
● lhados ●
● ossos por todo os lados ●
● cinzas de ●
● tudo q ja viveu ou ●
● vivera ●
● ruinas entre sois e as ●
● miragens do horizonte ●
● sol entre nuvens ●
● tudo tão ●
● azul ●
● quanto esse quarto ●
● azul de tão ●
● verde ●
● verde de tão ●
● branco ●
● e essa perna podre ●
● esse corpo estragado ●
● essa vida pervertida ●
● palavras sempre sujas ●
● esses ruidos de ●
● morte bebada ●
● esse mundo ●
● sempre ridi ●
● culo ●
● essas sombras ●
● isso q passa e ●
● jamais se sabe ●
● esse fedor de ●
● doença e alcool ●
● tudo se ●
● resume ●
● num copo ●
● dagua ●
● e depois nem ●
● isso ●
● podia muito bem ter ●
● ficado ●
● entre as ●
● serpentes nas ●
● dunas ●
● como um ●
● leão ●
● picado ao anoitecer ●
● se espanta com a ●
● lua ●
● e ●
● sem saber ●
● se alegra ●
● e fecha os olhos ●
● como se saltasse ●
● enterrando as ●
● garras ●
● os dentes ●
● ! ●
● tão diferente ●
● a vida no começo ●
● ! ●
● eis o fim ●
● ! ●
● isso é o silencio ●
*
*alberto lins caldas*
 
*****
...isso que o começo uiva e o fim ecoa!
 *roberta aymar*
 

2 comentários: