UNS VÃO À PRAIA. EU VOU AO MAR. PORQUE SOU DO MAR... O MAR, AOS QUE SÃO DO MAR: ODOYÁ! ODOYÁ!
Aquários de tubarões não inundam os meus pés. Só quero o vômito da minha própria vazante. Porque, sou Roberta Aymar...
TECIDO VIVO!

quinta-feira, 14 de abril de 2011

isso que é como coisa sonhada...



Dois 
Modos
d'
V'
o
M'esmo
Po
ema









*
● apenas a agua pode ●
● ser assim ●
● como coisa sonhada ●
● a ponta dos dedos ●
...● o rabo dos olhos ●
● sente aqui minha ●
● lingua sempre mo ●
● lhada e com esse ●
● desejo de ser mais ●
● ou menos como a ●
● agua isso sonhado ●
● entre ilhas e torres ●
● esses corpos assim ●
● o q se leva e vai ●
● nas correntes frias ●
● da noite chuvosa ●
● “tudo quanto se ●
● engendra nasce e ●
● morre” digo isso ●
● e sempre digo assim ●
● em teu ouvido quando ●
● vc dorme e não sabe ●
● mas as aguas do teu ●
● corpo sabem e bor ●
● bulham junto com ●
● as palavras e rimos ●
● vc dormindo e eu ●
● assim repetindo ●
● “sou esse fogo sagrado ●
● roda q gira e o canto ●
● devora o coração ●
● doente de desejo ●
● atado como animal ●
● sempre agonizante” ●
● e vou dormir so rindo ●
● com teu riso adorme ●
● cido e a pele arrepiada ●
*
*Alberto Lins Caldas*
 





*
● apenas a agua pode ●
● ser assim ●
● como coisa sonhada ●
● a ponta dos dedos ●
...● o rabo dos olhos ●
● sente aqui minha ●
● lingua sempre mo ●
● lhada e com esse ●
● desejo de ser mais ●
● ou menos como a ●
● agua isso sonhado ●
● entre ilhas e torres ●
● esses corpos assim ●
● o q se leva e vai ●
● nas correntes frias ●
● da noite chuvosa ●
● “tudo quanto se ●
● engendra nasce e ●
● morre” digo isso ●
● e sempre digo assim ●
● em teu ouvido quando ●
● vc dorme e não sabe ●
● mas as aguas do teu ●
● corpo sabem e bor ●
● bulham junto com ●
● as palavras e rimos ●
● vc dormindo e eu ●
● assim repetindo ●
● “sou esse fogo sagrado ●
● roda q gira e o canto ●
● devora o coração ●
● doente de desejo ●
● atado como animal ●
● sempre agonizante” ●
● e vou dormir so rindo ●
● com teu riso adorme ●
● cido e a pele arrepiada ●
*
*Alberto Lins Caldas*
   

Nenhum comentário:

Postar um comentário