UNS VÃO À PRAIA. EU VOU AO MAR. PORQUE SOU DO MAR... O MAR, AOS QUE SÃO DO MAR: ODOYÁ! ODOYÁ!
Aquários de tubarões não inundam os meus pés. Só quero o vômito da minha própria vazante. Porque, sou Roberta Aymar...
TECIDO VIVO!

sábado, 16 de abril de 2011

Indesejável Fazer





Obra do Artista Canadense Ray Caesar



In-desejável Fa'(Ja)'zer


Deixo para ao longe 
O Q' não quero fazer-(se)ntir
memento mori
(À)-manhã
N'em depois de Amanhã
N'em depois d' depois d'(A)'manhã
N'em q'ualq'uer tempo
O far-ei por m'eu-desejo (ja)mais
AdioAdioAdioAdioAdio
Adio
Até
Q'Esse
Q'uerer
Não )há( d' 
Fazer-(Se)-desista-de-Mim
Com
Dent' (ex) Tragados
No m'eu Pescoço
Morra
d'
I
n
a
n
i
ç
ã
o


Roberta Aymar


Obra do Artista Canadense Ray Caesar




*
● a ogiva clara os ●
● capiteis o ●
● marmore podre os ●
● circulos mortos ●
...
● !depois ●
● agora não ●

● palavra q ecoa ●
● inda nas mascaras o ●
● canto largo ●
● ao redor o silencio ●

● os corredores a ●
● luz branca demais ●
● odor de remedios e os ●
● cortes na perna ●

● !depois ●
● agora não ●

● a violencia a palavra ●
● carne e osso q ●
● talham como leite e
● chamam as moscas ●

● os livros a musica as ●
● casas enfileiradas na ●
● memoria e os corpos ●
● enterrados nela ●

● !depois
● agora não ●

● a hora de morrer a ●
● vontade de morrer e a ●
● morte q não chega ●
● sem polvora sem veneno ●

● a floresta o deserto os ●
● labirintos do mar e os ●
● mangues enfileirados de ●
● porto a porto ●

● !depois ●
● agora não ●

● todos de costas e vio ●
● lentos e a espada e a faca ●
● enferrujaram e não ha ●
● mais nenhum escudo ●
*
*Alberto Lins Caldas*

Um comentário: