UNS VÃO À PRAIA. EU VOU AO MAR. PORQUE SOU DO MAR... O MAR, AOS QUE SÃO DO MAR: ODOYÁ! ODOYÁ!
Aquários de tubarões não inundam os meus pés. Só quero o vômito da minha própria vazante. Porque, sou Roberta Aymar...
TECIDO VIVO!

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Antes que tudo em tudo se transforme...





Sossega, coração! Não desesperes!
Talvez um dia, para além dos dias,
Encontres o que queres porque o queres.
Então, livre de falsas nostalgias,
Atingirás a perfeição de seres.

Mas pobre sonho o que só quer não tê-lo!
Pobre esperença a de existir somente!
Como quem passa a mão pelo cabelo
E em si mesmo se sente diferente,
Como faz mal ao sonho o concebê-lo!

Sossega, coração, contudo! Dorme!
O sossego não quer razão nem causa.
Quer só a noite plácida e enorme,
A grande, universal, solente pausa
Antes que tudo em tudo se transforme.
                        
*Fernando Pessoa*

 

domingo, 30 de janeiro de 2011

Pitombeira dos Quatro Cantos: 64 Anos de Alegria



Em 30 de Janeiro de 2011...
 Dia da Saudade
 No meu aniversário de 46 anos de Tecido Vivo 
saúdo 
o aniversário de 64 anos de Vivo Tecido
da 
Troça Carnavalesca 
Pitombeira  dos Quatro Cantos


Que Viva a Pitombeira!
***
Que Viva Olinda Linda!





Hino da Pitombeira de Olinda

(Alex Caldas)

Nós somos da pitombeira
Não brincamos muito mal
Se a turma não saíssa
Não havia carnaval (bis)

Bata-bate com doce eu também quero
Eu também quero, Eu também
Bata-bate com doce eu também quero
Eu também quero, Eu também

Pitombeira só tem dez letras
E uma significação
Pitombeira é fruta besta
Se compra com qualquer tostão (bis)

Saudade (Por Clarice Lispector)

30 de Janeiro: Dia da Saudade

"Saudade é um pouco de fome.
Só passa quando se come a presença.
Mas às vezes a saudade é tão profunda 
que a presença é pouco:
Quer-se absorver a outra pessoa toda.
Essa vontade de um ser o outro 
para uma unificação inteira 
é um dos sentimentos mais urgentes 
que se tem na vida."

*Clarice Lispector*
In 
A Descoberta do Mundo


Bloco da Saudade



30 de Janeiro: Dia da Saudade!

Bloco da Saudade
(Recife - Pernambuco, Brasil)





“Bloco das Flores, Andaluzas, Cartomantes
Camponeses, Apôis Fum
e o Bloco Um Dia Só
Os Corações Futuristas, Bobos em Folia
Pirilampos de Tejipió
A Flor da Magnólia
Lira do Charmion, Sem Rival
Jacarandá, a Madeira da Fé
Crisântemos, Se Tem Bote e
Um Dia de Carnaval

Pavão Dourado, Camelo de Ouro e Bebé

Os queridos Batutas da Boa Vista
E os Turunas de São José
Príncipe dos Príncipes brilhou
Lira da Noite também vibrou
E o Bloco da Saudade, 
assim recorda tudo que passou.”

(Valores do Passado, de Edgard Moraes, 1962. Hino do Bloco da Saudade)




Frevo da Saudade
(Nelson Ferreira e Aldemar Paiva)

Quem tem saudade
Não está sozinho,
Tem o carinho
Da recordação...
Por isso quando estou
Mais isolado
Estou bem acompanhado
Com você no coração...
Um sorriso,
Uma frase, uma flor,
Tudo é você na imaginação...
Serpentina ou confete
carnaval de amor,
Tudo é você no coração...
Você existe como um anjo de bondade
E me acompanha
Neste Frevo de Saudade!!!
Lá, lá, lá, lá...





Saudade...

Dia da Saudade

30 de Janeiro: Dia da Saudade




"Saudade...
Do latim Solitate, Solidão.
No português arcaico, deu 
Soedade, Soidade, Suidade.
(...)
Em arábe, as expressões Suad, Saudá e Suidá
significam sangue pisado e preto dentro do coração, 
além  de serem metáforas de pura tristeza.
A As-Saudá, uma doença do fígado entre os árabes 
é diagnosticada pela melancolia do paciente.
Pode ter havido mistura de várias procedências para consolidar o vocábulo, 
além da mescla do verso saudar."

Dionisio Silva 
In
De Onde Vêm As Palavras








"Saudade é um pouco de fome.
Só passa quando se come a presença.
Mas às vezes a saudade é tão profunda que a presença é pouco:
Quer-se absorver a outra pessoa toda.
Essa vontade de um ser o outro 
para uma unificação inteira 
é um dos sentimentos mais urgentes 
que se tem na vida."

*Clarice Lispector*
In 
A Descoberta do Mundo




 



Na solidão na penumbra do amanhecer
Via você na noite, nas estrelas, nos planetas, 
nos mares, no brilho do sol e no anoitecer.

Via você no ontem, no hoje e no amanhã
Mas, não via você no momento.

Que saudade...

*Mário Quintana*

 

 

Pedaço de Mim   

(Chico Buarque)

Oh, pedaço de mim
Oh, metade afastada de mim
Leva o teu olhar
Que a saudade é o pior tormento
É pior do que o esquecimento
É pior do que se entrevar
Oh, pedaço de mim
Oh, metade exilada de mim
Leva os teus sinais
Que a saudade dói como um barco
Que aos poucos descreve um arco
E evita atracar no cais
Oh, pedaço de mim
Oh, metade arrancada de mim
Leva o vulto teu
Que a saudade é o revés de um parto
A saudade é arrumar o quarto
Do filho que já morreu
Oh, pedaço de mim
Oh, metade amputada de mim
Leva o que há de ti
Que a saudade dói latejada
É assim como uma fisgada
No membro que já perdi
Oh, pedaço de mim
Oh, metade adorada de mim
Lava os olhos meus
Que a saudade é o pior castigo
E eu não quero levar comigo
A mortalha do amor
Adeus




sábado, 29 de janeiro de 2011

A Revolta


A Revolta 
(Clarice Lispector)

"Quando tiraram os pontos de minha mão operada, 
por entre os dedos, gritei.
Dei gritos de dor e de cólera, 
pois a dor parece uma ofensa a nossa integridade física.
Mas não fui tola. Aproveitei a dor 
e dei gritos pelo passado e pelo presente.
Até pelo futuro gritei, meu Deus."



Caminhante



Caminante, son tus huellas
el camino, y nada más;
caminante, no hay camino,
se hace camino al andar.
Al andar se hace camino,
y al volver la vista atrás
se ve la senda que nunca
se ha de volver a pisar.
Caminante, no hay camino,
sino estelas en la mar. 
***

Caminhante, são teus rastos
o caminho, e nada mais;
caminhante, não há caminho,
faz-se caminho ao andar.
Ao andar faz-se o caminho,
e ao olhar-se para trás
vê-se a senda que jamais
se há-de voltar a pisar.
Caminhante, não há caminho,
somente sulcos no mar.

(António Machado)


White Space


sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Nine Inch Nails * The Great Below


 Nine Inch Nails * The Great Below
"Staring at the sea
will she come?
is there hope for me
after all is said and done
...
anything at any price
all of this for you
all the spoils of a wasted life
all of this for you

all the world has closed her eyes
tired faith all worn and thin
for all we could have done
and all that could have been

ocean pulls me close
and whispers in my ear
the destiny i've chose
all becoming clear

the currents have their say
the time is drawing near
washes me away
makes me disappear

i descend from grace
in arms of undertow
i will take my place
in the great below

i can still feel you
even so far away"

 

Vide Bula

A diferença entre o veneno e o remédio é a dose!











Vou Dormir 
(Alphonsina Storni)

Dentes de flores, cofia de sereno,
Mãos de ervas, tu ama-de-leite fina,
Deixa-me prontos os lençóis terrosos
E o edredom de musgos escardeados.
Vou dormir, ama-de-leite minha, deita-me.
Põe-me uma lâmpada a cabeceira;
Uma constelação; a que te agrade;
Todas são boas: a abaixa um pouquinho
Deixa-me sozinha: ouves romper os brotos...
Te embala um pé celeste desde acima
E um pássaro te traça uns compassos
Para que esqueças... obrigado.
Ah, um encargo:
Se ele chama novamente por telefone
Diz-lhe que não insista, que sai...






Alphonsina e El Mar
(Ariel Ramírez & Fèlix Luna)



Por la blanda arena
Que lame el mar
Su pequeña huella
No vuelve más
Un sendero solo
De pena y silencio llegó
Hasta el agua profunda
Un sendero solo
De penas mudas llegó
Hasta la espuma.

Sabe Dios qué angustia
Te acompañó
Qué dolores viejos
Calló tu voz
Para recostarte
Arrullada en el canto
De las caracolas marinas
La canción que canta
En el fondo oscuro del mar
La caracola.

Te vas Alfonsina
Con tu soledad
¿Qué poemas nuevos
Fuíste a buscar?
Una voz antigüa
De viento y de sal
Te requiebra el alma
Y la está llevando
Y te vas hacia allá
Como en sueños
Dormida, Alfonsina
Vestida de mar.

Cinco sirenitas
Te llevarán
Por caminos de algas
Y de coral
Y fosforescentes
Caballos marinos harán
Una ronda a tu lado
Y los habitantes
Del agua van a jugar
Pronto a tu lado.

Bájame la lámpara
Un poco más
Déjame que duerma
Nodriza, en paz
Y si llama él
No le digas que estoy
Dile que Alfonsina no vuelve
Y si llama él
No le digas nunca que estoy
Di que me he ido.

Te vas Alfonsina
Con tu soledad
¿Qué poemas nuevos
Fueste a buscar?
Una voz antigua
De viento y de sal
Te requiebra el alma
Y la está llevando
Y te vas hacia allá
Como en sueños
Dormida, Alfonsina
Vestida de mar.


domingo, 23 de janeiro de 2011

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Crônica Visual Para Uma Faculdade Morta - Obituário Arquitetônico * Composição II




Crônica Visual Para Uma Faculdade Morta - Obituário Arquitetônico * Composição I





Ganimedes

Ganimedes






 "γανύησθαι ganýesthai que significa regozijar-se, estar repleto de alegria, 
mais μῆδηα médea que quer dizer as partes pudendas do homem 
ou as suas nudezas, 
dando uma possível tradução como aquele que se regozija na virilidade"




Ganimedes fazendo uma libação a Zeus


O Rapto de Ganimedes - Rubens


O Rapto de Ganimedes


Sob o Signo d'Aquarius - 21.01 a 18.02


21 de Janeiro:
Entrando em Aquarius

Aquarius




Locus


 


Representações













O Aguadeiro Celestial
Desenhando o Céu




Ganimedes - O mito do signo de Aquário

http://eventosmitologiagrega.blogspot.com/2010/09/ganimedes-o-mito-do-signo-de-aquario.html 

 



Ganimedes, o mais belo dos mortais, cuidava do rebanho de seu pai quando Zeus vendo-o se apaixona por sua beleza. Zeus transforma-se numa águia e o rapta, levando-o para o Olimpo, a morada dos deuses. Ganimedes passa a servir o néctar divino, o garçom dos deuses, e a água para os homens, o zelador da água potável. Por isso Ganimedes porta uma ânfora e tem uma função social.

Ganimedes é filho de Trós, rei de Tróia, um príncipe herdeiro do trono, assim como o seu irmão, Ilo. Para aplacar a dor de Trós, Zeus oferece uma parreira de ouro e dois cavalos, em troca de Ganimedes. Pelo poder de Zeus, o mortal mais belo torna-se um deus imortal, assim, Ganimedes é o protegido que recebe o apoio do deus dos deuses, para também se tornar um deus.

O Aguadeiro Celeste também é visto como um deus do amor homossexual – transgressor por natureza por romper com a lógica da procriação da espécie – assim como do amor do mais velho ao mais novo. Aquário é a afirmação da pulsão masculina, entre homens, para os homens, por causa dos homens. O feminino não se cria, afinal, Ganimedes liberta Zeus da obrigação da sua função procriadora; o relacionamento sem obrigações, sem contratos. Com Ganimedes, Zeus experimenta outro amor, além da natureza, além do corpo, além da genética, muito além da obrigação de fertilizar o mundo com o gen da divindade.

Aquário é o impulso civilizatório, a fecundação in vitro, a transição política – para o bem estar da comunidade e também a relação do menino com o homem já feito, a quebra da convenção hierárquica, social e familiar que tanto se atribui a Aquário. O Deus do Olimpo na forma de águia, uma ave de rapina, simboliza a visão de longo alcance.






Ganimedes






 "γανύησθαι ganýesthai que significa regozijar-se, estar repleto de alegria, 
mais μῆδηα médea que quer dizer as partes pudendas do homem ou as suas nudezas, 
dando uma possível tradução como aquele que se regozija na virilidade"



Ganimedes fazendo uma libação a Zeus


O Rapto de Ganimedes - Rubens


O Rapto de Ganimedes




Era de Aquarius











Camus de Aquário





segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Janus



Janus, O Porteiro Celestial
*Guardião das Portas*
(Portas-por-onde ou Portas-contra) 






 
No limite dos paradoxos e indecisões!
Toda porta se volta para dois lados diferentes!
Não Esqueçamos!  

 
Janus et Januarius
(Janus de Todos os Janeiros)
 
 
 




As Duas Faces de Jano